Review | Coringa (SEM SPOILERS)

 

Enfim chegou o momento, quinta, dia 3 de outubro de 2019 chega aos cinemas “Coringa”, a nova e ambiciosa produção da Warner para o Universo da DC nos cinemas. O comediante falido Arthur Fleck encontra violentos bandidos pelas ruas de Gotham City. Desconsiderado pela sociedade, Fleck começa a ficar louco e se transforma no criminoso conhecido como Coringa.

“O filme é um soco no estômago” esse é um termo que está sendo repetido por todos que assistem ao filme e não estão errados ao fazer tal afirmação. Vemos um filme cru e visceral com atuações brilhantes e cenas de tirar o fôlego.
É complicado falar algo do filme sem estragar a experiência cinematográfica, então vou me limitar em dizer sobre a parte técnica do  longa, já que qualquer revelação do enredo pode atrapalhar (como está no título, aqui é SEM SPOILERS).
A fotografia é impecável e traz uma Ghotham mais suja e decadente, conseguindo ser uma cidade que consegue ser perto da realidade e ainda lembrar os tons góticos das HQs, bem diferente da Boston limpa e iluminada de Nolan.
As atuações estão espetaculares e Joaquim Phoenix leva o filme inteiro nas costas. É praticamente um monólogo, ele realmente é o ponto central do filme, tudo gira em torno dele e de sua condição. Uma indicação como melhor ator no proxímo Oscar é praticamente certa, até agora, nesse ano, ainda não tivemos uma atuação tão impecável e de tanta entrega quanto essa. Os coadjuvantes também vão bem, mas as atuação de Phoenix engole a todos.
O roteiro é fechado e muito redondo, te gera várias dúvidas mas todas são respondidas, seja diretamente ou em subtexto, mas nada de muito complexo, o que não quer dizer que é raso. As discussões sobre o filme serão tão duradouras quanto as de Batman vs Superman e o objetivo é justamente esse, já que questões bem delicadas são abordadas.
Sobre o futuro é difícil entender a cabeça da Warner, mas a vontade deste que vos escreve é justamente esse ser um filme isolado e sem ligação com o resto do universo, é óbvio que há acontecimentos que sugerem que ele pode ter sido o tão sonhado reboot, mas nada ainda foi confirmado e nem se essa linha temporal será a seguida pela vindoura trilogia “The Batman” de Matt Reeves. Nos resta esperar e ver o que os executivos da Warner farão com esse monstro criado nesse longa.
No mais, compre seu ingresso, vá ao cinema e assista essa obra prima e lembrem-se, no Brasil a classificação etária foi de 16 anos, mas na boa, não leve as crianças para a sala de cinema, não estamos falando dos filmes açucarados do MCU aqui, estamos entrando num território espinhoso e denso, deixem as crianças com Ultimato.

Postado por: Felipe Zarro |

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *